Formador, quem é?

    Formador

    "... o profissional que, na realização de uma acção de formação, estabelece uma relação pedagógica com os formandos, favorecendo a aquisição de conhecimentos e competências, bem como o desenvolvimento de atitudes e formas de comportamento, adequados ao desempenho profissional."

     

    Decreto Regulamentar nº 66/94, de 19 Novembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto Regulamentar nº 26/97, de 18 de Junho).

    Como tal, um bom formador deve reunir:

    • O domínio técnico actualizado relativo à área de formação em que é especialista,
    • O domínio dos métodos e das técnicas pedagógicas adequadas ao tipo e ao nível de formação que desenvolve,
    • Competências na área da comunicação que proporcionem um ambiente facilitador do processo de ensino/aprendizagem.

    O exercício da actividade de formador exige:

    • Preparação psicossocial, que envolve, designadamente, o espírito de cooperação e a capacidade de comunicação, relacionamento e adequação às características do público alvo, por forma a prosseguir com eficácia a função cultural, social e económica da formação;
    • Formação científica, técnica, tecnológica e prática, que implica a posse de qualificação de nível igual ou superior ao nível de saída dos formandos nos domínios em que se desenvolve a formação;
    • Frequência com aproveitamento de curso de formação pedagógica homologado pelo IEFP, I.P.;
    • Posse do Certificado de Competências Pedagógicas (CCP) - traduzida na competência pedagógica, devidamente actualizada.

    No entanto, exercer esta profissão tem as suas vantagens. Enumeremos então algumas delas:

    • Saída profissional alternativa: tornar-se num formador é uma saída profissional. Caso tenha formação em alguma área, através da realização de um curso de formador poderá, além de exercer a sua profissão, instruir outros para a virem a exercer no futuro.
    • Combate ao desemprego: hoje em dia muitas áreas têm excesso de profissionais ou são áreas com pouca saída devido à crise económica. Assim, tornar-se num formador abre mais uma porta e permite aos formadores tentarem procurar um emprego na área de formação, pois existem muitas empresas e instituições nacionais que procuram profissionais de formação.
    • Realização pessoal: o facto de ter a possibilidade de instruir outros indivíduos, como referido acima, é um motivo de realização e satisfação pessoal para os formadores.
    • Reconhecimento: ao tornar-se num formador, um determinado indivíduo tem o direito a ser reconhecido pela sua profissão, através de diplomas e certificados emitidos por diversas entidades, como por exemplo o Estado.
    • Aumento do conhecimento: o processo de educação e instrução não é um processo unidireccional. Ao mesmo tempo que o formador instrui, acaba também por aprender com as dúvidas colocadas pelos formandos.

    Assim, tornar-se num formador é uma opção com bastantes vantagens a diferentes níveis.